O desafio de escolher os alimentos

Orgânico, convencional, funcional, enriquecido…você fica confuso com tantos rótulos encontrados nos alimentos? Confira o que significa cada um deles e não se confunda em sua próxima compra.

Os alimentos que você escolhe devem ajustar‐se ao seu gosto, personalidade, tradições familiares e culturais, estilo de vida e orçamento. E nos dias atuais, há uma grande variedade, o que pode deixar muita gente confusa na hora de escolher o melhor para a família

A fim de fazer a melhor opção, é importantea conhecer a origem e a qualidade biológica dos alimentos (o potencial que cada um tem para proteger a nossa saúde). Para selecionar os alimentos, portanto, você precisa conhecer mais que os seus nomes, é preciso conhecer as qualidades interiores de cada um, como calorias, nutrientes e não‐nutrientes que eles contêm. Confira, abaixo, os tipos de alimentos encontrados no mercado:

Convencional: produzido com o uso do solo, de adubos químicos altamente solúveis e com o uso de agrotóxicos (inseticidas, fungicidas, acaricidas, bactericidas, nematicidas, herbicidas, entre outros).

Orgânico: conhecido como um produto isento de fertilizantes químicos e agrotóxicos, produzido em solo vivo, com boas condições para que se desenvolva bem e produza um alimento sadio e sem resíduos tóxicos. Para a produção dos orgânicos não é permitido usar agrotóxicos e adubos químicos de alta solubilidade e nenhum produto que deixe resíduo no solo, na água, no animal e nos alimentos. O alimento traz em sua embalagem o “selo verde” como garantia de sua qualidade. Já existem diversos produtos orgânicos no mercado, como sucos, geléias, laticínios, óleos, doces, palmito, pães, biscoitos, molhos, especiarias, cerveja, vinho, cachaça, café, barra de cereais, hortaliças processadas, entre outros. O grande obstáculo desses produtos é preço – em média, 40% mais elevado que os dos produtos convencionais.

Hidropônico: produzido em ambiente protegido (estufas) sem o uso de solo e com o uso de adubos químicos de fácil solubilidade em água. Como o cultivo é feito longe do solo, as plantas não têm contaminantes como bactérias, fungos, lesmas, insetos ou vermes. E, por serem criadas em um ambiente controlado, crescem mais saudáveis.

Funcional: é todo aquele alimento ou ingrediente que, além das funções nutricionais básicas, quando consumido como parte da dieta habitual produz efeitos metabólicos e/ou fisiológicos e/ou benéficos à saúde. Esses alimentos possuem três propriedades principais: reduzem o risco de doenças, modelam funções do sistema imunológico e melhoram ou modulam a disposição e o desempenho físico. Mas fique atento: os alimentos funcionais não são destinados a tratar ou a curar doenças, e sim contribuir para uma melhor qualidade de vida.

Transgênico: é geneticamente modificado. Nesse processo, a planta adquire propriedades de certas bactérias, o que faz com que funcionem como inseticidas naturais ou que resistam a um determinado tipo de herbicida.

Fast-food: alimento geralmente preparado em restaurante e que está disponível em questão de minutos na sua casa ou no próprio local onde é feito.

Diet: é geralmente utilizado em dietas de restrição, e deve ter total ausência de um determinado ingrediente, como carboidrato (sacarose), proteína, gordura ou sódio. É importante que fique bem claro que nem todos os produtos denominados dietapresentam diminuição significativa na quantidade de calorias e, portanto, devem ser evitados pelas pessoas que desejam emagrecer.

Light: alimento com redução mínima de 25% de qualquer de seus atributos, como calorias, açúcar, sal, gordura, carboidrato e colesterol.

Alimento enriquecido: enriquecer/fortificar um alimento consiste em adicionar um ou mais nutrientes essenciais contidos naturalmente ou não no alimento. O objetivo é reforçar o  valor nutritivo e prevenir – ou corrigir – deficiências de um ou mais nutrientes na alimentação da população ou de grupos específicos.

Alimento processado: é aquele submetido a qualquer processo, como moagem, alterações de textura, cozimento ou outros. Depende do composto inicial e do processo, um determinado alimento processado pode ou não ser nutritivo.

Referência consultada: Ornellas, LH. Técnica dietética: seleção e preparo de alimentos. 8ª ed. rev. Ampl.

*Coluna escrita em parceria com a nutricionista Abykeyla Mellisse Tosatti, especializanda em Adolescência para Equipes Multidisciplinares da UNIFESP e colaboradora da Nutrociência

Fonte: http://revistacrescer.globo.com/Revista/Crescer/0,,EMI112080-15995,00.html