Falta de tempo e alta no preço muda hábito do consumidor e cria oportunidades aos supermercados

Rotina movimentada e alta nos preços de alguns alimentos faz com que consumidores adotem novos hábitos em sua alimentação e cria oportunidade para o Mercado atacadista de alimentação.

Sem tempo para sentar à mesa e comer com calma, o brasileiro que, nos anos 70 tinha uma média de duas horas por refeição, hoje não passa mais que 15 minutos. Junto à isso temos a ala no preço dos produtos industrializados que fez com que o consumidor começasse a optar por alimentos mais saudáveis, trocando o snacks e refrigerantes por frutas e cereais.

Essa mudança de hábitos fez com que o supermercados passassem a repensar a maneira como lidar com a arquitetura física do varejo, oferecendo alimentos complementares, facilitando a busca do consumidor e permitindo que ele passe menos tempo nas lojas. Além disso, oferecer preços mais atraentes os supermercadista tem hoje a missão de reinventar suas ofertas, lançar novos  serviços e estar mais atento às variáveis que influenciam Mercado, como tecnologia, otimização dos recursos, capacitação profissional, sustentabilidade e mudanças demográficas.

O atual panorama do setor exige atenção ao cliente, que passou a consumir alimentos mais saudáveis e práticos. Todas as classes estão em busca de mais praticidade no dia a dia e passaram a optar por produtos que oferecem melhor qualidade. Essa mudança de perfil é revelada em uma pesquisa divulgada pela APAS (Associação Paulista de Supermercados): nos últimos anos, alimentos frescos ganharam importância na cesta do brasileiro. A análise observou um crescimento no consumo de produtos de açougue, hortifrúti e padaria. 11% dos entrevistados afirmaram que, se os preços dos alimentos subissem, passariam a comprar mais frutas e/ou vegetais frescos ou congelados, enquanto 10% optariam por cereais a granel. Isso representa uma nova oportunidade de negócios para varejistas do setor.