Dicas para não se dar mal na Black Friday

Para não errar nas compras de sexta-feira, internauta precisa analisar com lupa as ofertas e a reputação dos vendedores

Cada vez mais sólida no calendário do comércio, a Black Friday, que ocorre na sexta-feira, promete descontos imbatíveis — mas impõe aos internautas o desafio de analisar com lupa as ofertas e a reputação dos vendedores.
No ano passado, o Portal Reclame Aqui registrou 12 mil queixas durante o já tradicional dia de ofertas. Foram frequentes as reclamações por descontos enganosos, erros nos sites na hora de concluir a compra e falhas na entrega.

Como fazer render o 13º salário
— Os casos mais preocupantes foram de “maquiagem” de preços. Algumas lojas aumentam o valor do produto antes da Black Friday e retornam ao preço original na data anunciando descontos — aponta a diretora do Procon-RS, Flávia do Canto Pereira.
Para escapar da armadilha, é preciso se cercar de referências, recomenda:
— Quem já vem pesquisando um produto há mais tempo e conhece seu valor médio terá mais facilidade para identificar ofertas falsas. Os demais precisam redobrar o cuidado.

Saber diferenciar impulso do essencial
Para quem arregaça as mangas e compara promoções, a data pode revelar bons negócios. A Black Friday promete economia de até 80% em itens mais baratos, como livros e roupas, em torno de 40% para artigos mais sofisticados, como tablets, celulares e eletrodomésticos.
— Os descontos são atraentes, mas a pessoa precisa diferenciar o que é impulso do que é realmente necessário e, assim, evitar gastar mais do que precisa — sugere o consultor financeiro Alfredo Meneghetti Neto. — A dica é anotar hoje mesmo o que se deseja comprar, e, se até sexta-feira a vontade continuar, fazer a compra.

Novo Código de Defesa do Consumidor deve prever negócios pela internet
De acordo com os organizadores do evento, a edição deste ano deve movimentar R$ 978 milhões, 12% a mais do que em 2014. Clientes de Porto Alegre vão gastar R$ 23 milhões na data — a mesma proporção do crescimento nacional.
— A alta é relevante em um ano de economia complicada. A previsão é de que o consumidor valorize mais seu dinheiro, pesquisando as ofertas — projeta Juliano Motta, diretor da BlackFriday.com.br.

10 DICAS PARA APROVEITAR AS PROMOÇÕES

  1. Faça uma pesquisa prévia dos produtos que pretende comprar, para saber se os descontos que serão anuciados são verdadeiros – escapando da chamada maquiagem de preços.
  2. Pesquise a reputação da loja em sites de reclamações, fóruns de consumidores, Procons e site do Tribunal de Justiça do Estado.
  3. Desconfie de ofertas muito tentadoras. É estranho um site vender um produto muito mais barato do que a concorrência – principalmente eletroeletrônicos.
  4. Prefira lojas conhecidas, com CNPJ, número para contato telefônico e endereço físico.
  5. Prefira pagar com o cartão de crédito, em vez de boleto, ou por transferência bancária. Fica mais fácil de cancelar o pagamento caso haja problema na entrega.
  6. Faça cópias de tela em cada etapa da compra – desde o anúncio até a conclusão do pagamento e o prazo de entrega.
  7. Mesmo que as ofertas valham a pena, tome cuidado com as compras para não exceder o orçamento e passar aperto para pagar.
  8. Para não comprar por impulso, a sugestão é escrever em uma lista quais produtos você realmente pretende comprar na data, e focar neles sua pesquisa.
  9. Se chegar um produto diferente daquele escolhido, lembre-se de que poderá desistir da compra e devolver o item no prazo de sete dias.
  10. Observe o selo do Busca Descontos do Reclame Aqui nos sites com melhor reputação. A marca estará presente em lojas que tenham avaliação boa ou ótima.

O que é a Black Friday
A “Sexta-Feira Negra” tem origem nos Estados Unidos, onde os lojistas derrubam preços para esvaziar estoques e se preparar para as vendas de final de ano. Ocorre na última sexta-feira de novembro, após o feriado de Ação de Graças. Há algumas versões para a origem do termo – a mais conhecida é que as vendas deixam a última linha do balanço preta (indicando lucro), e não  vermelha (sinônimo de prejuízo).
No Brasil, a Black Friday ocorre desde 2010 e movimenta principalmente o e-commerce.

Fonte: Erik Farina. O repórter Erik Farina produz as matérias da série Encare a Crise.
http://zh.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/noticia/2015/11/dicas-para-nao-se-dar-mal-na-black-friday-4912923.html